quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Operação urbana e meio ambiente

A Câmara Municipal de Belo Horizonte volta a discutir nesta semana a operação urbana no Izidoro, região que limita a capital com o município de Santa Luzia, de reconhecido valor ambiental e cuja área total corresponde ao triplo da área original de BH, cercada pela avenida do contorno.

Lá planeja-se construir conjuntos habitacionais do programa Minha Casa, Minha vida, que deverão abrigar 16 mil famílias. Previstos também infraestrutura urbana, com escolas, centros de saúde e reserva ambiental do tamanho do parque das Mangabeiras.

Parece bom, mas é complexo. Necessidade de garatias legais e financeiras de preservação ambiental, plano diretor local e, principalmente, plano de mobilidade urbana, para garantir dignidade a seus futuros moradores. A concentração de população de baixa renda na periferia é decorrência da gentrificação, expulsão de moradores de áreas valorizadas, como pode ocorrer em outra operação urbana anunciada, o projeto Nova BH. Neste último, até agora, nem o poder público, nem o segmento imobiliário, falou em "minha casa, minha vida".

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Nova Lima realiza evento sobre mobilidade urbana na RMBH

Cidade é a 11ª a receber encontro que auxilia municípios com mais de 20 mil habitantes a elaborar planos de mobilidade

Nesta segunda-feira (02), a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) realiza, de 8h às 17h, na Casa Fiat de Cultura, em Nova Lima (RMBH), o encontro da Agenda com os Municípios: Construindo Planos de Mobilidade Urbana. O evento encerra as atividades do Fórum Técnico Mobilidade Urbana - Construindo Cidades Inteligentes, que visa a sensibilizar as autoridades e os cidadãos das cidades mineiras a elaborar leis de mobilidade urbana até 2015. O presidente da Comissão de Assuntos Municipais, deputado estadual Paulo Lamac, é o coordenador do Fórum.
As normas de mobilidade urbana são exigidas pela Lei Federal 12.857, de 2012, e deverão ser elaboradas em todos os municípios com mais de 20 mil habitantes. Para colaborar com os municípios, a ALMG organizou uma agenda com 11 eventos regionais. Já foram realizados encontros em Montes Claros, Viçosa, Teófilo Otoni, Governador Valadares, Conselheiro Lafaiete, Uberlândia, Patos de Minas, Curvelo, Divinópolis e Varginha. O formato dos encontros é de palestras pela manhã e oficinas à tarde. Nas oficinas, há espaço para debate e troca de ideias.
As normas de mobilidade urbana são exigidas pela Lei Federal 12.857, de 2012, e deverão ser elaboradas em todos os municípios com mais de 20 mil habitantes. Lamac destaca que de forma pioneira no país, o Fórum Técnico da ALMG vem discutir a legislação e buscar auxiliar os municípios mineiros, que deverão compreender em profundidade a dimensão deste desafio. "Mobilidade urbana é um assunto que fará parte de vários debates pelo Brasil afora. É uma discussão complexa, que afeta a vida de todos, com problemas de difícil resolução e que não têm um caminho único. É necessária a união de esforços do poder público e de toda a sociedade, para identificar conjuntamente os propostas desenvolvidas e as soluções que devem ser aplicadas", ressalta o coordenador do Fórum.
Evento: Encerramento do Fórum Mobilidade Urbana - Construindo Cidades Inteligentes (Agenda com os Municípios da RMBH)
Local: 
Casa Fiat de Cultura ((Rua Jornalista Djalma Andrade, 1250 - Belvedere)
Dia: 02 de dezembro (segunda-feira)
Horário: 
8h30 às 17h

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Eficiência na Gestão de Resíduos Sólidos

O Governo de Minas, por meio da Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Belo Horizonte, juntamente com a Agência de Cooperação Internacional do Japão CONVIDAM para o seminário de apresentação dos resultados do projeto “Promoção da Eficiência na Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil” a realizar-se no dia 17 de dezembro de 14h às 18h no Centro Mineiro de Referência em Resíduos.

A inscrição é gratuita e  deve ser realizada até o dia 06 de dezembro

Outras informações pelo e-mail: julia.vianna@agenciarmbh.mg.gov.br ou pelo telefone (31) 3915-6999.


domingo, 17 de novembro de 2013

Entrevista con Cristobal Kay: Empresas translatinas y acaparamiento de tierras en América Latina

Cristobal Kay
Sally Burch
ALAI AMLATINA

El acaparamiento de grandes extensiones de tierras, conocido en inglés como land-grabbing, fenómeno que surgió principalmente en la última década y que se acentuó a partir de la crisis alimentaria del 2008, está transformando radicalmente la estructura agraria en el mundo, desplazando al campesinado y reforzando la agroindustria. En África y Asia, este fenómeno corresponde principalmente a acuerdos entre Estados, donde un gobierno acuerda la compra o arriendo de grandes extensiones –cien, doscientas mil hectáreas o más-, en otro país, para producir alimentos bajo su propio control y exportarlos, a fin de garantizar la seguridad alimentaria de su población.

En América Latina, sin embargo, el proceso ha asumido una característica distinta, según explica Cristóbal Kay, especialista en desarrollo y reforma agraria. Y es que en nuestro continente, no son otros Estados sino principalmente las grandes empresas translativas las que están invirtiendo en países vecinos. En entrevista con ALAI, Kay advirtió que, entre más avanza este proceso, más complejo se vuelve pensar en una reforma agraria en los países afectados.

Académico especializado en teoría del desarrollo, que estudió primero en Chile e Inglaterra, y hoy es profesor del Instituto de Estudios Sociales de La Haya, Cristóbal Kay nos recordó que en América Latina este fenómeno tiene sus raíces en la llamada década perdida de los años 80, con las políticas neoliberales. Cuando los Estados disminuyeron sus políticas de crédito y asistencia técnica al campesinado y bajaron los aranceles a la importación de alimentos, la economía campesina quedó marginada y muchos campesinos tuvieron que buscar otras formas de ingreso, cuando no acudir a la migración. En cambio los sectores rurales que salieron beneficiados fueron aquellos productores agrícolas capitalistas que tenían acceso a las inversiones y los conocimientos necesarios para entrar en los nuevos mercados de exportación, con nuevos productos como el brócoli, hortalizas, frutas, palma africana aceitera.

Este hecho, relata Kay, “cambió totalmente la estructura agraria, llevando hacía un proceso de concentración de tierras y, también, hacía un proceso de capitalización del agro… Se expandieron estas empresas agrarias, muchas veces incorporando a tierras campesinas, o deforestando la amazonia, llegando a nuevas fronteras agrícolas, creando también una serie de efectos negativos para la ecología de esos países”. Esta nueva estructura agraria funciona con mano de obra temporal, sin estabilidad laboral y con salarios muy bajos, o donde hay cultivos muy mecanizados, como la soya, crea muy poco empleo. “En medio siglo, desde 1960 hasta 2010, el cultivo de la soya pasó de 260 mil hectáreas a más de 42 millones. O sea, se multiplicó varios cientos de veces”, señala el investigador.

Sigue nuestra conversación sobre estos temas, en la cual Kay nos contó cómo en América Latina el actual proceso de acaparamiento de tierras sigue parámetros novedosos a nivel mundial, puesto que se trata esencialmente de empresas latinoamericanas de un país que invierten en otro país latinoamericano.

------

CK: Son grandes compañías que ya controlan cincuenta mil hectáreas, o cien mil hectáreas, por ejemplo de Argentina; que hacen después inversiones en Paraguay, o Uruguay, especialmente para soja, o para pasto y ganadería. Y Brasil hace lo mismo: hay muchos empresarios agrícolas brasileños que ya hace como tres o cuatro décadas atrás, han comprado tierras en la parte oriental de Bolivia, en Santa Cruz, en las tierras bajas de Bolivia, y hoy en día controlan quizás un tercio de las tierras del Oriente boliviano. Controlan como el 40 o 50% de la producción de soja de Bolivia.

Paraguay, es el caso más dramático. En este país, casi dos tercios de toda la producción de soja es controlada por capitales, inversionistas, terratenientes, de origen brasileño -la mayoría-, pero también una parte importante de argentinos. Entonces se plantea allí un problema de soberanía nacional, porque gran parte de esas inversiones de compra de tierra por parte de los brasileños y los argentinos se da en la zona fronteriza con esos países. Y, el cultivo de la soja es el más importante de Paraguay, entonces controlando dos tercios de la producción de soja -no tengo una cifra exacta-, pero es como controlar quizá el 40% de toda la producción agropecuaria de ese país, por parte de esos capitales latinoamericanos.

Ahora, muchos de esos capitales latinoamericanos están asociados con capitales internacionales. Por ejemplo, con el famoso financista George Soros. Soros tiene una empresa que financia las compras de tierras a través de una empresa en Argentina, y hace inversiones a gran escala, con grandes maquinarias.

Entonces, hay algunos capitales extranjeros, pero no es la fuerza motriz de este cambio; la fuerza motriz viene de los propios capitales de algunos países latinoamericanos. Incluso países pequeños como Chile, que tiene cierta ventaja en la industria forestal. Hay un grupo forestal chileno que tiene más de un millón de hectáreas, de las cuales la mitad está fuera de Chile, en Argentina, Brasil y Paraguay. Como ya no hay más tierras para reforestar en Chile, estos capitales chilenos invierten en otros países latinoamericanos, en los que todavía hay cierta abundancia de tierra. Ahora, esto también tiene su impacto ecológico, especialmente con el monocultivo de eucalipto, que absorbe mucha agua, y el pino; y entonces no se puede cultivar después, es muy difícil volver a usar la tierra para otro uso agropecuario.

ALAI: Estas inversiones en tierra, ¿están vinculadas también a la especulación del sector financiero?

CK: Sí, porque la ventaja es que la tierra no pierde su valor, es una buena inversión fija, especialmente si los precios agropecuarios siguen subiendo, y es muy probable que los precios agrícolas nunca van a bajar de nuevo a los niveles pre-crisis del año 2008. Pero la especulación viene más bien con estos nuevos cultivos, como decía, la palma aceitera, palma africana, con la soja y también con la caña de azúcar. Estos tres cultivos se pueden llamar ‘cultivos comodín’. Un colega de La Haya, Saturnino Borras, lo llama ‘flexcrops’, que se puede traducir al castellano como ‘cultivo comodín’, porque se los puede dedicar a varios usos, ya sea como aceite, ya sea como comida, o para biocombustible. Y allí viene la ventaja, es decir, depende de los precios de los alimentos: si están bajos, dedican la caña de azúcar o la soja al etanol. Entonces especulan de acuerdo a cómo van los precios internacionales para cada uno de los productos. Eso le da esa flexibilidad al capital, y el capital siempre trata de maximizar la ganancia y la renta, usando los mercados internacionales.

ALAI: ¿De toda esta situación que acaba de describir, cómo ve las implicaciones a futuro? ¿De qué hay que preocuparse? ¿Qué alternativas podrían plantearse frente a esa situación?

CK: Estos nuevos capitales que acaparan tierras, extensiones de 100 mil hectáreas, y algunas llegando hasta a 1 millón de hectáreas, son cantidades de tierras inimaginables históricamente, van mucho más allá del antiguo latifundio. La diferencia es que son capitales no exclusivamente agrarios, sino que muchos de estos nuevos inversionistas vienen de la agroindustria, de la industria forestal, de la industria del procesamiento de la caña de azúcar, de la palma africana. O incluso, en el caso de capitales extranjeros, de capitales mineros o financieros; y capital comercial, incluso hay supermercados que invierten. Entonces, ya no es solamente un capital agrario, sino un capital que se origina de varias fuentes, que controla la cadena productiva. Es como toda una cadena de valor que está totalmente integrada y controlada por ese capital corporativo, que tiene tremendo poder, porque conoce el mercado internacional, tiene acceso a las últimas técnicas productivas, tiene la capacidad de financiar maquinaria, cosechadoras e industrias procesadoras.

Frente a eso, a un mercado libre, los gobiernos no tienen la capacidad de negociar o de buscar acuerdos más favorables para los países. Hay quizá algunas restricciones menores.

En cuanto a las implicaciones de este proceso, como ya mencionaba, desplazó a ciertos sectores campesinos, creó conflictos con pueblos indígenas, tal cual lo hacen algunas inversiones mineras, aunque estos casos son menos conocidos. Y es que en muchas de esas zonas que los gobiernos dicen que están vacías, que son tierras estatales, ya había poblaciones locales, indígenas, que estaban radicadas en esas zonas, y que con estas inversiones van siendo desplazadas.

En el tema de qué visión del futuro, pensando especialmente si uno quiere hacer una reforma agraria, yo creo que hoy en día es más complejo realizar una reforma agraria, porque el campesinado ya no enfrenta al antiguo señor feudal con el cual tenía una relación patronal clientelar. Pero había un enemigo claro -por así decirlo- con el cual uno podía realizar su lucha social: contra los patrones, contra los terratenientes que habían estado en esa zona hace siglos ya, desde la colonia, con el antiguo latifundio. Ahora son grupos inversionistas, muchas veces sociedades anónimas. Entonces, ¿cómo tener una política para tratar de expropiar o redistribuir la tierra, frente a un capital que puede vender las tierras fácilmente o moverse a otro lugar?

Además, ahora ya no se trata de expropiar tierra improductiva, no cultivada, como antes con el latifundio. No, estas son empresas capitalistas, con grandes inversiones de alta productividad, de alta tecnología, totalmente integradas al mercado internacional; entonces también los gobiernos son muy reacios a tocar a esas empresas.

Por lo mismo, hoy las reformas agrarias tendrían que ser mucho más participativas, tendrían que tener en mente las necesidades de las comunidades indígenas, tener una opción también de género, de incorporar a las mujeres en el proceso de la reforma agraria, lo que no se hizo en la reforma agraria de las décadas de los 50, 60 y principios de los 70, y también, por supuesto, tener toda una visión ecológica, que en la reforma agraria de los 50 los 60 no existía. Entonces, con toda esta nueva situación, es mucho más complejo tener un programa real, masivo de reforma agraria.

Consecuentemente, para enfrentarse a esos grandes conglomerados, como Monsanto, la lucha social ahora tiene que ser de un movimiento también transnacional. Como, por ejemplo, es el caso de la Vía Campesina. Hay que tener un movimiento campesino que esté interconectado e interrelacionado y que se globalice, se transnacionalice, aunando esfuerzos en cada país con esa lucha, más bien global, contra los transgénicos, contra el gran capital financiero y planteando sus propuestas a nivel de la comunidad internacional -a través de las Naciones Unidas, como la FAO, etc., porque es allí donde se mueven las fuerzas políticas.

Y aliándose con los movimientos ecologistas, con los movimientos que quieren mantener la biodiversidad genética, con los movimientos que van contra los supermercados, los movimientos que quieren fortalecer los mercados locales, las culturas locales, por un paisaje que no sea de monocultivo, etc. Allí, aunando esfuerzos entre sectores rurales con sectores sociales urbanos, crear una alianza política transnacional, para lograr cambiar este modelo de monocultivo y depredador. Es una visión, pero por suerte que hay varios pasos intermedios para lograr eso.

URL de este artículo: http://alainet.org/active/68928

Mas informacion: http://alainet.org
RSS:  http://alainet.org/rss.phtml Twitter: http://twitter.com/ALAIinfo

Te invitamos a sostener el trabajo de ALAI. Contribuciones: http://alainet.org/donaciones.php
______________________________________
Agencia Latinoamericana de Informacion
email: info@alainet.org

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Do campo para a sala de aula

Por Esther Vivas*

 “Menino, de onde vem o leite?”, lhe perguntam. “Da Tetra Pak”, responde. Quantas vezes você já ouviu esta piada? A distância entre o campo e o prato, entre a produção e o consumo, apenas aumentou nos últimos anos. E os mais novos, com frequência, nunca puseram os pés em uma horta, viram uma galinha ou se aproximaram de uma vaca. Alimentar-se não se trata de apenas ingerir alimentos, mas também saber de onde eles vêm, o que nos fornecem, como foram feitos. A educação também envolve ensinar a comer e comer bem. E isso é precisamente o que fazem as cantinas escolares ecológicas, que recentemente começaram a aparecer por aqui.

O interesse em comer direito, bem e com justiça chega, aos poucos, às mesas das escolas. Refeições que buscam mais que a ingestão calórica necessária, uma alimentação orgânica e de proximidade. Se trata de aproveitar espaços que permitam, como nenhum outro, a interação entre estudantes, educadores, cozinheiros e, em um segundo nível, com famílias, professores e agricultores, para recuperar não só o saber e o sabor dos alimentos, mas também, aprender e valorizar o trabalho que está por trás da produção, na agricultura, e por trás do fogão, na cozinha. As cantinas escolares ecológicas têm uma vertente educativa e nutricional, ao defender a economia social e solidária e o território. Alimentos orgânicos, sim, mas de proximidade.

Uma aposta imprescindível em um contexto de crise que, por um lado, dá uma saída econômica à pequena agricultura, que tenta viver dignamente no campo, incentivando alguns canais de comercialização alternativos e uma venda direta e, por outro, oferecendo uma alimentação saudável e ecológica para os menores, em um contexto em que aumenta a pobreza e a subnutrição. Na Catalunha, 40% das crianças fazem a principal refeição do dia, o almoço, nos centros educativos. Incorporar esses valores às cantinas escolares deveria ser uma prioridade, e os custos econômicos não podem ser o argumento para não fazê-lo. Integrar a cozinha aos refeitórios dos centros permite um maior controle sobre a alimentação dos pequenos, e se compramos alimentos de proximidade, sazonais e diretamente com o agricultor, podemos reduzir custos.

Do campo, passando pelas cozinhas das escolas e até o prato dos alunos, transparência, qualidade e justiça, esse é o desafio. E a administração pública deveria estar comprometida com esta finalidade. Investir em uma boa alimentação na sala de aula é investir no futuro. Cantinas escolares que levam os princípios da soberania alimentar para as escolas, e não só na teoria, mas, o que é mais importante, na prática. Soberania alimentar, que nos permite recuperar a capacidade de decidir sobre o que comemos, que aposta na agricultura camponesa, local e agroecológica e que devolve aos agricultores e consumidores, e neste caso às crianças, o controle e o conhecimento sobre sua alimentação.

 *Traduzido por Natasha Ísis, do Canal Ibase.
+info: http://esthervivas.com/portugues/

domingo, 27 de outubro de 2013

Programa Nacional para Municípios Sustentáveis


O desafio de integrar ações governamentais a partir dos municípios, em prol do desenvolvimento sustentável vai ganhar mais um programa nacional: o Brasil + 20. Nos dias 23 e 24 de outubro, um seminário em Brasília, promovido pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), alinhou os principais pontos do programa. Segundo a coordenadora do Programa Brasil + 20, Silmara Vieira, do MMA, hoje há uma setorialização de políticas públicas, sem diálogo entre elas.

A mobilização, que reuniu dezenas de entidades da sociedade civil, prefeitos e representantes dos ministérios das Cidades, Ciência e Tecnologia, Educação, Planejamento, além do Meio Ambiente, também deu início a um levantamento das iniciativas para a  sustentabilidade em andamento no país. A execução do programa se dará em quatro eixos de atuação: mobilização nacional sobre sustentabilidade, capacitação e assistência técnica, leitura da realidade local e informação. Dentre os objetivos,  destaca-se a articulação e a cooperação interfederativa para a gestão sustentável dos territórios, dada à “heterogeneidade dos territórios e  as dificuldades de coordenação”, como problematiza o secretário executivo do MMA, Francisco Gaetani.

Nas apresentações ocorridas no seminário  a gestão municipal sobressaiu-se como um tema que peocupa gestores e dificulta a vida da população. No Brasil,  dos mais de cinco mil municípios, apenas 31  possuem mais de 500 mil habitantes.  Degradação ambiental e problemas de mobilidade urbana têm de sobre em todos eles. O acesso aos serviços públicos é limitado, como em São Paulo, maior cidade do país, onde um terço da população anda a pé, segundo Silvio Caccia Bava, do Instituo Polis, por não ter dinheiro para pegar um ônibus ou metrô. Ele também lembra que serviços públicos essenciais como abastecimento de água só é acessados por quem pode pagar.

Também fez parte da programação, a apresentação de um estudo sobre pegada ecológica como indicador de conexão regional. Michael Becker, do WWF, demonstrou como determinada cidade ou região depende de outras para seu abastecimento alimentar.


A coordenação do Brasil + 20 espera concluir a primeira fase de elaboração do programa até março de 2014, quando terá início a formação das coordenações regionais do programa. 

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Congresso de Fitopatologia discutirá uso de agrotóxicos

Congresso de Fitopatologia reúne autoridades
científicas em Ouro Preto

A diversidade e a qualidade de centenas de estudos científicos e pesquisas na área de fitopatologia estarão à mostra no 46º Congresso Brasileiro de Fitopatologia, que acontece de 20 a 25 de outubro, em Ouro Preto, Minas Gerais

A programação científica é formada por 17 mesas redondas e dez palestras de convidados nacionais e estrangeiros. O CEO da CAB Internacional, Trevor Nicholls, do Reino Unido, por exemplo, vai abordar a contribuição das pesquisas para a segurança alimentar mundial e pela vigilância global. Já Andy Leadbeater, da Frac e Syngenta, Suíça, vai abordar os desafios no manejo químico de doenças e plantas pelos  produtores rurais e pela indústria.

Dezenas de pesquisadores brasileiros dos principais centros de pesquisa do país, como Embrapa, Esalq, UFV, UFSCar e UFRS e Instituto Agronômico de Campinas tem presença confirmada nos debates. Sessões orais e pôster vão contemplar centenas de trabalhos inscritos no Congresso.  Estandes de empresas nacionais e estrangeiras  estarão abertos na Expofito, uma feira tecnológica do setor, que funcionará paralelamente ao Congresso.

Nas mesas redondas destacam-se discussões sobre  riscos a saúde humana e ao meio ambiente decorrentes do uso de pesticidas, globalização de patógenos, doenças emergentes no Brasil,  patologia florestal, rumos e escolhas das empresas de defensivos, transgenia  e controle biológico de doenças no Brasil.

Serviço

46º Congresso Brasileiro de Fitopatologia
Abertura: 20 de outubro de 2013 – 18h30
Programação científica: 21 a 25 de outubro – de 8h00 às 18h30
Local: Centro de Convenções da Universidade Federal de Ouro Preto
Ouro Preto – Minas Gerais

Realização: Sociedade Brasileira de Fitopatologia
Organização: Universidade Federal de Viçosa (UFV)

Programação completa: www.cbfito46.org.br

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Encontro de povos do semiárido mineiro divulga carta com participação de representantes de países latino-americanos

O 1º Encontro da Agrobiodiversidade do Semiárido Mineiro, o 6º Encontro Norte Mineiro da Agrobiodiversidade e o 1º Fórum Internacional de Agrobiodiversidade e Mudanças Climáticas, realizados entre 8 e 11 de outubro, em Montes Claros (MG), divulgaram carta política resumindo propostas e deliberações dos encontros.

Os eventos reuniram cerca de 600 participantes, entre povos indígenas, quilombolas, vazanteiros, ribeirinhos, veredeiros, catingueiros, geraizeiros, sertanejos, representantes de movimentos sociais, sindicatos, organizações da sociedade civil, articulações, redes, universidades e instituições públicas de pesquisa.

Os eventos, que também são preparatórios para o 3º Encontro Nacional de Agroecologia, a ser realizada no próximo ano, também tiveram a participação de representações de países como Guatemala, Honduras, México, Colômbia e Costa Rica.

Vivenciamos as experiências, a cultura e os modos de vida dos povos e comunidades tradicionais e a diversidade de expressões que constituem a agricultura familiar camponesa , afirmam os participantes na carta. Ao mesmo tempo, nos deparamos com os desafios e as ameaças enfrentadas pelo campesinato nessa região .
Clique aqui para a íntegra da Carta.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Pesquisadores de doenças das plantas se reúnem em Ouro Preto

Congresso de Fitopatologia: Pesquisadores de doenças das plantas se reúnem em Ouro Preto

Mais de um mil pessoas, dentre pesquisadores, professores e estudantes de ciências agrárias, estão inscritos no 46º Congresso Brasileiro de Fitopatologia, que acontece de 20 a 25 de outubro, no Centro de Convenções de Ouro Preto, Minas Gerais.
Promovido pela Sociedade Brasileira de Fitopatologia (SBFito) e organizado pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), o congresso contará, além de palestras e debates, com exposições de centenas de trabalhos científicos. Foram 948 trabalhos inscritos, segundo a comissão organizadora do evento, presidida pelo professor Jose Rogério de Oliveira, chefe de departamento de Fitopatologia da UFV. Dentre os participantes, cerca de 30 pesquisadores ou professores de universidades são de outros países, como Austrália, Estados Unidos, Holanda, Reino Unido e Espanha.
Um dos maiores produtores mundiais de alimentos, o Brasil também de destaca na pesquisa sobre as doenças das plantas. Uma dessas, considerada inédita e de alto impacto na comunidade científica nacional e internacional foi o sequenciamento do genoma da bactéria Xylella fastidiosa, cujo potencial de prejuízo na citricultura é de amplo conhecimento. As informações geradas pela pesquisa permitem que “metodologias de controle sejam desenvolvidas” explica o professor José Rogério.
Os benefícios das pesquisas em fitopatologia vão além da produtividade das lavouras, pois também são desenvolvidas pós colheitas, nos processos de armazenamento da produção, identificando e combatendo os patógenos desta fase da produção agrícola, reduzindo perdas que vão beneficiar produtores e consumidores.
Para o engenheiro agrônomo da Embrapa Algodão, Luiz Gonzaga Chitarra, presidente da SBFito, o Congresso será uma grande oportunidade de interação da comunidade científica. Dentre os temas mais relevantes ele também destaca a importância da pesquisa nos sistemas integrados lavoura-pecuária-floresta. “Quando o sistema de produção envolve várias atividades, temos muitos problemas com a incidência de doenças e pragas”, explica. Sobre os avanços da pesquisa brasileira, ele diz ser preciso avançar mais, e isso “depende de um esforço conjunto de governos, empresas e universidades”. A busca de parcerias internacionais nesse sentido é um desafio, que já começou a ser enfrentado, em projetos desenvolvidos por algumas universidades e centros de pesquisa brasileiros.
Os benefícios da pesquisa científica para a população podem ser mensurados pela melhoria da qualidade dos alimentos e pela saúde da população. Segundo Chitarra, hoje se trabalha “com o objetivo e reduzir a agressão ao meio ambiente, diminuindo a aplicação de agrotóxicos e promovendo a segurança alimentar”
Outra tema pautado para o Congresso de Fitopatologia são os rumos do controle químico de doenças. Pesquisadores e representantes de empresas vão apresentar as tendências do segmento, dentre eles o uso de produtos alternativos e de manejo de culturas.
Paralelamente ao 46º Congresso de Fitopatologia, acontece a 11ª Brasileira de Controle Biológico, onde será apresentado e discutido um panorama desta área no país.
Veja a programação completa em www.cbfito46.com.br


Jornalista responsável: Aloísio Lopes – 031-9902-1468

domingo, 22 de setembro de 2013

Prêmio Betinho 2013 homenageia catadores

O Comitê de Entidades no Combate à Fome e pela Vida Coep e a Rede Mobilizadores acabam de lançar a 6ª edição do Prêmio Betinho Atitude Cidadã. O período de votação para escolha das 23 pessoas que serão homenageadas começou em 16 de setembro. Nesta 6ª edição, 66 participantes concorrem ao prêmio que irá valorizar a atuação dos catadores de materiais recicláveis e reutilizáveis e fortalecer o direito a condições dignas de trabalho e de vida, para além da perspectiva restrita da sobrevivência.


O eixo de atuação do COEP, no biênio 2013-2014, é o apoio aos catadores e catadoras de materiais recicláveis e reutilizáveis. A proposta do Prêmio é dar visibilidade a estes trabalhadores e fortalecer as conquistas obtidas nos últimos anos, inclusive com a correta implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos , explica a coordenadora do Prêmio, Amélia Medeiros.

Ao votar, cada internauta terá a oportunidade de manifestar apoio à causa dos (as) catadores (as) e ressaltar a urgência da promoção de políticas públicas para a inclusão social desses trabalhadores, como determina a Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei nº 12.305/2010).

A indicação dos concorrentes é feita por integrantes da Rede Coep e entidades parceiras. Embora proponha uma votação, o maior objetivo é incentivar o votante a conhecer, valorizar e divulgar o trabalho de cada candidato.

O Prêmio Betinho - Atitude Cidadã foi criado em 2008 para homenagear o sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, um dos fundadores do Coep. O Coep é uma rede nacional de mobilização social como resultado da articulação de Betinho. Criada em 1993, a rede se tornou-se, nesses 20 anos de atuação, uma das principais articuladoras de organizações públicas e privadas para implementação de iniciativas voltadas para o desenvolvimento sustentável. Reúne mais de 1.100 organizações e mais de 35,8 mil mobilizadores.

A votação é feita pela internet: www.coepbrasil.org.br/premiobetinho.

Informações: (61) 3424-4926 

Fonte: COEP Nacional

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Conferência Estadual de Meio Ambiente será neste mês no Centro Mineiro de Referência em Resíduos

A Conferência Estadual acontecerá no dia 10 de setembro de 2013, em Belo Horizonte, a partir das 08:00 horas, no Centro Mineiro de Referência em Resíduos – CMRR, A. Belém, nº 40, Esplanada, conforme programação a ser enviada.

Ressaltamos que poderão participar da Conferência Estadual, apenas os delegados titulares eleitos nas etapas municipais. Caso o titular não possa participar, favor informar à COE-MG através do e-mail: cemamg@yahoo.com.br no prazo máximo de 2 (dois) dias a partir do recebimento deste e-mail para que os delegados suplentes possam ser comunicados.

Conforme já informado aos pontos focais das conferências municipais, o Estado não arcará com as despesas de deslocamento, hospedagem e alimentação dos delegados eleitos nas etapas municipais para participar da Conferência estadual. Apenas como sugestão, apresentamos uma lista de hotéis e pousadas em BH, bem como meio de transporte público até o local da conferência. Agradecemos a compreensão e contamos com a presença de todos! Informamos que a Programação e a Metodologia da Conferência serão encaminhadas em novo e-mail.

Comissão Organizadora Estadual – COE-MG

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Faltam 140 mil banheiros em Minas


Na primeira audiência pública do Plano Plurianual de Ações Governamentais (PPAG), realizada pela Assembléia Legislativa de Minas Gerais, nesta terça-feira, dia 22, representantes de órgãos ambientais e de saneamento apresentaram oito projetos em andamento no Executivo Estadual. Um deles, Saneamento para Todos, tem como meta, a construção de 11 mil módulos sanitários em localidades até 200 habitantes. Ocorre que o déficit de instalações sanitárias, segundo a Fundação João Pinheiro, atinge 140 mil domicílios. No primeiro semestre deste ano, o governo estadual teria conseguido construir e entregar apenas 158 deles, cerca de 1,5% da meta. Segundo o representante da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Regional e Política Urbana (Sedru), os atrasos se devem a dificuldades burocráticas para obtenção dos créditos financeiros, e de identificar as famílias que receberão a obra. Será?

Pequenas obras atrasam 6 anos

Nas localidades de 200 a cinco mil habitantes, a Copanor, que atende regiões do norte de Minas, Jequtinhonha e Mucuri, tem a meta de levar água e esgotos para 500 localidades, com população total de 400 mil pessoas. Os recursos para esse projeto são do Fundo Estadual de Saúde.
As obras, que deveriam ter sido concluídas em 2010, tiveram o prazo “repactuado” para 2016, devido ao cancelamento de 19 contratos. A crise financeira internacional teria sido o principal motivo, segundo Frank Deschamps Lamas.

Águas Olímpicas


O projeto Cidades das Águas, instalado no município de Frutal e voltado para a pesquisa e educação para os recursos hídricos, está concluindo a primeira fase de suas obras físicas. Novos recursos foram obtidos junto ao BNDES no valor de R$ 50 milhões. Deste total metade será usado na construção de uma Vila Olímpica.  

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Licitação para exploração do gás de xisto

Precaução: esse é o décimo-quinto princípio da Declaração do Rio (Eco 92), que deveria ser respeitado pelo governo para a exploração gás de xisto. Apesar do alerta os cientistas, nenhum pedra foi movida até agora para mudar o rumo da prosa http://migre.me/fKxve

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Seminário internacional de biolutas e produção comum será neste mês

No dia 28 de agosto será realizado o SEMINÁRIO INTERNACIONAL BIOLUTAS E PRODUÇÃO DO COMUM / UNIVERSIDADE NÔMADE, das 9h30 às 17horas. Evento de discussão pública de temas relacionados com o atual cenário político e social global, com foco no Brasil e no papel da cultura e comunicação tanto nas lutas quanto nas novas formas de exploração. Com Giuseppe CoccoHenrique AntounAndré BarrosPedro Victor BrandãoPablo De SotoMatteo PasquinelliBarbara Szaniecki, Miguel Said e Bruno Tarin. Casa de Rui Barbosa. Rua São Clemente 134 - Botafogo.http://uninomade.net/seminariobiolutas/

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Aquíferos: um tesouro sob nossos pés

O Brasil possui uma reserva estimada em 113 mil quilometros cúbicos de águas subterrâneas. Em Minas, são 68 unidades aquíferas. As mais conhecidas: Guarani, Gandarela e Cauê. Veja matéria completa, publicada pela Revista Vértice, do Crea-MG http://www.crea-mg.org.br/revistaVertice/Lists/Postagens/Post.aspx?ID=16

terça-feira, 9 de julho de 2013

Inscreva-se para a Conferência Municipal de Meio Ambiente de Belo Horizonte


Militantes socioambientais e entidades da sociedade civil, convidam a todos os interessados a participarem da Conferência Municipal de Meio Ambiente nos dias 20 e 21 de junho, às 8 horas, no CEFET-MG (Av.Amazonas, 5253, Nova Suissa Belo Horizonte, Minas Gerais). Infelizmente, a Prefeitura de Belo Horizonte, desconhecendo o acúmulo da sociedade civil na discussão da temática ambiental, não convocou a conferência no prazo regimental, que venceu em 1° de junho, o que levou à sociedade civil a tomar esta iniciativa.

A Conferência Municipal será preparatória para a IV Conferência Estadual (agosto) e para a IV Conferência Nacional de Meio Ambiente (outubro), sob a temática Resíduos Sólidos, com os seguinte eixos: Produção e Consumo Sustentáveis; Redução dos Impactos Ambientais; Geração de Trabalho, Emprego e Renda e Educação Ambiental. Muito temos a discutir, propor e cobrar. Da ampliação da coleta seletiva à melhoria da limpeza urbana. Da inclusão social dos catadores à proibição da incineração pelas empresas. Da responsabilidade pela logística reversa aos temas transversais aos Resíduos Sólidos, como ocupação do solo urbano e preservação das águas.

Inscreva-se até 15 de julho de 2013 enviando para o e-mail: conferenciameioambientebh@gmail.com Nome:
Endereço:
Telefone:
Entidade que participa (se for o caso):

Mais informações: (31) 3383-0413
http://conferenciademeioambientedebh.wordpress.com

terça-feira, 2 de julho de 2013

Sociedade Civil convoca Conferência de Meio Ambiente em BH

Sociedade Civil convoca Conferência de Meio Ambiente em BH

Diversas entidades civis de Belo Horizonte se juntaram para convocar e organizar a IV Conferência Municipal de Meio Ambiente, evento preparatório para a  Conferência estadual, que acontecerá em agosto e a Conferência Nacional, em outubro deste ano, que discutirão temas relacionados `a Política Nacional de Resíduos Sólidos. A convocação municipal deveria ter sido feita pelo prefeito Márcio Lacerda, até a data de 1º de julho, conforme o regimento nacional e estadual, o que não ocorreu. Em função dessa omissão, as entidades protocolaram na comissão organizadora estadual, o pedido da sociedade civil para realizar a conferência, que acontecerá dias 20 e 21 de julho, no Cefet-MG (avenida Amazonas, 5253, bairro Nova Suissa).

A Comissão Organizadora Municipal formada por entidades, e para a qual também estão sendo convidados representantes da Prefeitura, da Câmara de Vereadores, do segmento empresarial e técnico, tem a expectativa de mais de 200 participantes, que poderão se inscrever pela internet, no período de 3 a 15 de julho.

Conteúdo

Além dos temas que compõe a temática oficial da  Conferência Nacional (Produção e Consumo Sustentáveis; Geração de Emprego de Renda; Redução dos Impactos Ambientais e Educação Ambiental) a Comissão Organizadora local pretende incluir na pauta outros assuntos relacionados com a realidade da capital, como recursos hídricos, despoluição da bacia da Pampulha, ocupação urbana e preservação da Serra do Curral.

Entidades Realizadoras:

INSEA  - Instituto Nenuca de Desenvolvimento Sustentável
Fórum Municipal Lixo e Cidadania
APLENA - Associação dos Profissionais Liberais de Engenharia, Arquitetura, Agrimensura e Agronomia da PBH
IMEL -  Instituto Imersão Latina
MOC ECO – Movimento Comunitário Ecológico Baixa Serra do Curral
MOVIMENTO NOSSA BH
SENGE-MG – Sindicato de Engenheiros de MG
SIND-SAÚDE-MG – Sindicato dos Trabalhadores em Saúde de MG
SINDÁGUA – Sindicato dos Trabalhadores em Saneamento de MG
SINPRO-MG  – Sindicato dos Professores de MG
SINARQ – Sindicato dos Arquitetos de MG
CÃO PAIXAO –
IAB – Instituto de Arquitetos do Brasil
Central dos Trabalhadores do Brasil
Associação dos Moradores do Conjunto Novo Dom Bosco
ACSD
Federação de Associações de Moradores de Minas Gerais

domingo, 23 de junho de 2013

Edital de R$ 2 milhões seleciona pequenos projetos ecossociais

O Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN) abriu inscrições para o edital do Programa de Pequenos Projetos Ecossociais (PPP-Ecos), com o objetivo de apoiar projetos de organizações de base comunitária e organizações não-governamentais, nos biomas Cerrado e Caatinga.

Com recursos do Fundo para o Meio Ambiente Mundial (GEF), com apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), o PPP-Ecos passa a apoiar projetos também na região da Caatinga. Os recursos previstos para o presente edital somam R$ 2,14 milhões a serem repassados às organizações. São duas categorias de apoio: Pequenos Projetos e Projetos de Consolidação.

A categoria Pequenos Projetos destina até R$ 70 mil para cada proponente, para apoiar as organizações de base comunitária, contemplando inclusive aquelas com pouca experiência na gestão de projetos. Já a categoria Projetos de Consolidação investe até R$ 100 mil por proponente, para beneficiar organizações que já possuem experiência ou projeto com resultados e impactos positivos comprovados e que possam ampliar a escala de sua atuação, podendo ser replicados em outras comunidades.

 O prazo para envio de propostas é até 2 de agosto.

 Informações: www.ispn.org.br.

 Fonte: ISPN

domingo, 16 de junho de 2013

Prefeitura de BH não convoca, mas Sociedade faz a Conferência de Meio Ambiente

Para garantir a realização da Conferência Municipal de Meio Ambiente em Belo Horizonte, que não foi convocada pela Prefeitura Municipal no prazo regimental, vencido em 1 de Junho, cidadãos e entidades militantes na área socioambiental tomaram a iniciativa e vão convocar uma Conferência livre, a tempo de se preparem para os debates e elegerem os delegados à IV Conferência Estadual, que acontece em agosto e a IV Conferência Nacional, em outubro. A temática central será Resíduos Sólidos, com os seguintes eixos: Produção e Consumo Sustentáveis, Redução dos Impactos Ambientais, Geração de Trabalho, Emprego e Renda e Educação Ambiental. Para organizar a Conferência Municipal,  será realizada reunião aberta na próxima terça-feira, dia 18 de Junho, às 19 horas, na Assembleia Legislativa.
Fonte: www.andrequintao.com.br 


sábado, 8 de junho de 2013

Exposição Cerrado: uma riqueza ameaçada pode ser vista até 21 de junho na Câmara em Brasília


A exposição “Cerrado: uma riqueza ameaçada” está aberta a visitação até 20 de junho na Câmara dos Deputados, em Brasília, Distrito Federal. A abertura foi no dia 4 de junho quando mais mais de 150 m²  foram ocupados com fotos de paisagens do Cerrado e retratos de geraizeiros, quebradeiras de coco babaçu, indígenas e agricultores, que retratam as riquezas do bioma e da cultura de seus povos.
A mostra apresenta também infográficos que ilustram o Cerrado em números de unidades de conservação e terras indígenas, além de denunciar a velocidade alarmante que o bioma vem sendo destruído nas últimas décadas. A expansão desenfreada da fronteira agrícola, a mineração, entre outras atividades, promovem a perda expressiva de sua biodiversidade, acentuam a concentração de terras e rendas e geram conflitos pelo domínio da terra e acesso aos recursos naturais.

O intuito é chamar a atenção dos cidadãos e parlamentares para o risco que o bioma corre com o modelo de desenvolvimento que têm incentivado a conversão das florestas em áreas produtivas pouco sustentáveis, que resultaram em florestas degradadas, contaminação das águas, elevação da emissão de gases de efeito estufa e ameaças às populações tradicionais. Para Altair de Souza, coordenador geral da Rede Cerrado, “essa exibição registra em um espaço privilegiado este padrão de produção de baixa eficiência que gera passivos socioambientais, deixando pra trás uma conta que o povo brasileiro já está pagando”. Ele ressalta ainda que mesmo com tantos retrocessos, “a presença da Rede Cerrado nas frentes políticas, como colegiados e conselhos, tem contribuído para o avanço do debate sobre a preservação ambiental e a garantia de direito dos povos e comunidades tradicionais”.

A exposição destaca a diversidade de atuação da Rede Cerrado pela conservação do bioma, defesa de seus povos e comunidades tradicionais e promoção da justiça social e sustentabilidade ambiental. A Rede Cerrado foi criada em 1992 por ocasião da assinatura do Tratado dos Cerrados, durante a Conferência Rio-92, com o objetivo de articular esforços conjuntos de organizações da sociedade civil para o enfrentamento dos problemas socioambientais que afetam o bioma. Hoje a rede abrange um universo de 500 organizações não governamentais e de base comunitária. Tornou-se referência para as discussões políticas não só no que diz respeito ao meio ambiente, mas também aos direitos dos povos do Cerrado.

Exposição “Cerrado: uma riqueza ameaçada”
4 a 21 de junho.
Local: Espaço do Servidor, Câmara dos Deputados – Brasília (DF) Fonte: Rede Cerrado

terça-feira, 4 de junho de 2013

Conferência de Meio Ambiente em Belo Horizonte

Cidadãos belorizontinos, militantes socioambientais e entidades da sociedade civil, convidam a todos os interessados a participarem de uma reunião na próxima quarta-feira, dia 5 de junho, onde será discutida a convocação e organização da Conferência Municipal de Meio Ambiente.

A reunião vai acontecer no horário de 19 às 21 horas, na Câmara Municipal de Belo Horizonte, bairro Santa Efigênia Infelizmente, a Prefeitura de Belo Horizonte, desconhecendo o acúmulo da sociedade civil na discussão da temática ambiental, não convocou a conferência no prazo regimental, que venceu em 1° de junho, cabedo agora à sociedade civil tomar esta iniciativa.

A Conferência Municipal será preparatória para a IV Conferência Estadual (agosto) e para a IV Conferência Nacional de Meio Ambiente (outubro), sob a temática Resíduos Sólidos, com os seguinte eixos: Produção e Consumo Sustentáveis; Redução dos Impactos Ambientais; Geração de Trabalho, Emprego e Renda e Educação Ambiental.

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Recursos Hídricos Fronteiriços e Transfronteiriços

Estudo da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, aponta 83 rios e 11 aquiferos em regiões fronteiriças do Brasil. A gestão compartilhada é um desafio.Acordo de cooperação sobre gestão do uso das reservas subterrâneas de água do Guarani, celebrado no âmbito do Mercosul, em 2010, aguarda

Saiba mais: http://migre.me/eQUza

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Participe do Imersivo de Permacultura de 30 de maio a 2 de junho



Programação: 

Permacultura aplicada - Metodologia em design, análise de recursos e elementos, estabelecimento de sistemas permaculturais, conexões ecológicas.

Visita Ecopedagógica (Aprendizagem ativa) - Realizaremos uma visita monitorada aos sistemas permaculturais do sítio em pleno funcionamento tendo como carro chefe a agricultura familiar.

Bioconstrução prática - Hiperadobe, início da construção de nossa geodésica, ferrocimento. Shanupa e Temazcal - Ritos de passagem, cerimônias indígenas também utilizadas para a resolução de conflitos dentro das comunidades. Exercício da comunicação não violenta. Purificação e uso terapêutico. (opcional). 

Alimentação Vegetariana: Teremos alimentação diversificada, todas elas tendo em comum a alimentação integral e natural. Em algum dia realizaremos uma pequena oficina sobre suco verde e alimentação viva.

Na manhã de domingo serão realizadas práticas corporais e saudação ao Sol. A vivência começará impreterivelmente até às 9 horas da manhã de quinta e terminará até às 18 horas do domingo. O curso inclui

As vagas são limitadas para até 20 pessoas.

Inscrições e outras informações: www.seteecos.com.br

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Profissionalização em Sustentabilidade

Este será o tema debatido por 04 especialistas convidados para o 3o Encontro Técnico I+ em 23/05/2013 - 5a feira das 9h00 às 12h30 - Av. Paulista, 2000 - 15o andar - auditório da Universidade Anhembi Morumbi. As vagas são limitadas e a participação gratuíta com a emissão de certificado pela internet aos que comparecerem. Reserve já sua vaga.

Mais informações no site do Instituto MAIS: www.maisprojetos.com.br

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Carta Verde das Américas será divulgada no encerramento do "Greenmeeting Brasilia 2013"




Acontecerá em Brasília nos dias 21 e 22 de maio de 2013, o XII Encontro Verde das Américas, o Greenmeeting , que reunirá importantes lideranças nacionais e internacionais sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, tanto governamentais, quanto não governamentais.

Neste sentido a coordenação Geral do Encontro solicita aos participantes que contribuam nas discussões com informação e idéias concretas e objetivas para a elaboração da Carta Verde das Américas, importante documento que busca delinear e contribuir com um modelo de sustentabilidade mais justa, equânime e próspera.

Salientamos que tal documento não tem o propósito de ditar normas ou política de governos e sim ser um instrumento de excelência em observação e sugestão de idéias para o enfrentamento dos desafios globais em tempos atuais.

Participação gratuita com inscrição no Link Credenciamento do site www.greenmeeting.org

Os participantes receberão certificado com carga horária

Atenciosamente,

Coordenação Geral do Encontro

terça-feira, 14 de maio de 2013

Se o nome do programa é "Água para Todos" por que o governo mineiro não atende a todos os municípios carentes das regiões Norte e Vale do Jequitinhonha? http://migre.me/exGdy

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Cerca de 15% da água potável distribuida na região metropolitana de Belo Horizonte provem da represa de Varzea das Flores, situada entre os municípios de Betim e Contagem. Ocupação desordenada do solo e turismo predatório ameaçam o manancial. A extensa área que abriga a represa é legalmente considerada proteção ambiental, o governo do estado ainda não regulamentou o seu funcionamento. Numa Assembléia Legislativa dominada pelo Executivo, terão os deputados estaduais força para exigir providências da Copasa?  http://migre.me/emGHt

sábado, 20 de abril de 2013

Camponeses do mundo, uní-vos!

Por Esther Vivas *

Ano após ano, a população camponesa no mundo foi diminuindo. O êxodo rural tornou-se uma realidade palpável no decorrer do século XX, o que levou a uma mudança radical da paisagem e da agricultura camponesa e tradicional. Em 2007, pela primeira vez na história da humanidade, a maioria da população mundial já vivia em cidades. O Estado espanhol não foi uma exceção. E a agricultura deixou de ser uma das principais atividades econômicas para ser uma prática quase residual. Se, na década de 70, 25% da população ativa ainda trabalhava na agricultura, hoje este número foi reduzido para 4% e significou uma perda de mais de dois milhões e meio de empregos. Os estabelecimentos agrários estão desaparecendo rapidamente. Entre 1999 e 2009, diminuíram em 23%, de acordo com o Censo Agropecuário 2009 do INE. Em breve teremos que pendurar em nossos campos o cartaz de "fechado por morte". A renda agrícola também continua em queda livre.

E em 2012 caiu para níveis de 20 anos atrás, de acordo com o sindicato agrário COAG, com o consequente empobrecimento do campesinato. Pobreza e mundo rural andam de mãos dadas. Na Europa, um terço dos pobres está concentrado nas áreas rurais. E a pobreza afeta, em particular, às mulheres. O envelhecimento da população, a falta de oportunidades para os jovens, a emigração, os baixos rendimentos na agricultura e a má infraestrutura são sintomas claros da pobreza no campo, como indica o relatório Pobreza e Exclusão Social em Áreas Rurais da União Europeia em 2008.

Os camponeses desaparecem, mas nossas necessidades alimentares ainda permanecem. Então, quem vai nos dar de comer? Quem produz e distribui a comida? Algumas poucas empresas do agronegócio e da distribuição são as que controlam atualmente toda a cadeia alimentar, desde a origem até o fim. As multinacionais que procuram ganhar dinheiro, e muito, com os alimentos. Dupont, Syngenta, Monsanto, Kraft, Nestlé, Procter & Gamble, Carrefour, Auchan, El Corte Ingles, Mercadona são apenas alguns exemplos. E assim vai. Nos próximos dias se celebra a Semana de Luta Camponesa para exigir outras políticas agrícolas e alimentares. Um tema-chave: a luta contra os transgênicos.

O Estado espanhol é a porta de entrada dos OGM (organismos geneticamente modificados) na Europa, o seu paraíso. Variedades proibidas em outros países, como a França, Grécia, Áustria, Alemanha ..., são cultivadas aqui. E outra frente de batalha: a soberania alimentar, que consiste em devolver a capacidade de decidir, sobre aquilo que se produz e se come, a camponeses e consumidores. Ser soberanos, poder decidir. Palavras proscritas nos tempos atuais. A Via Campesina, o movimento internacional mais importante de agricultores do Norte e do Sul, os mais atingidos pelo avanço da globalização neoliberal, os sem-terra, pequenos agricultores, mulheres camponesas ... o reivindicam desde meados dos anos 90. Seu lema é "Camponeses do mundo: uní-vos". Precisamos deles.

** Traduzido ao português por Tárzia Medeiros
http://esthervivas.com/portugues/

terça-feira, 2 de abril de 2013


UNESCO-HidroEX abre seleção para doutorado na Holanda
O UNESCO-HidroEX, por meio de uma parceria com o  Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), lançou na última semana uma chamada pública destinada a seleção de candidatos em nível de pós-graduação.
Os contemplados receberão bolsas de estudo pelo Programa Ciência sem Fronteiras (CsF) para atuar no Instituto de Educação para as Águas (Unesco-IHE), sediado na cidade de Delft, na Holanda. As propostas devem ser enviadas pela Plataforma Carlos Chagas, no site do CNPq, até o dia 03 de maio deste ano. A seleção ocorrerá a partir de junho e o apoio tem início em julho.
Os candidatos concorrerão a vagas nas modalidades doutorado sanduíche (SWE), doutorado pleno (GDE) e pós-doutorado (PDE).
Para consolidar e viabilizar o programa de estágios, o Unesco-Hidroex firmou parcerias com a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig).
 Entre as linhas temáticas abrangidas pela chamada, estão:
- Gestão de Recursos Hídricos e Governança: aspectos institucionais e legais; governança; instrumentos de gestão; unidades de gestão; gerenciamento do ciclo da água em território urbano; e mudanças organizacionais no setor da água.
- Prevenção e Controle da Poluição Aquática: gestão de resíduos sólidos; prevenção da poluição e produção mais limpa; recuperação ambiental; ecotecnologias; sistemas sustentáveis; e reuso de água.
- Segurança Hídrica: desenvolvimento de pesquisas e metodologias de tratamento de sistemas de águas superficiais e subterrâneas; bacias hidrográficas, portos e hidrovias em seus aspectos principais: análise e compreensão da hidrologia; hidráulica; processos geotécnicos e morfológicos; planejamento e desenho de intervenções de engenharia em escala local, regional e transfronteira; gestão, operação e manutenção de infraestrutura hídrica relacionada; avaliação ambiental e mitigação de impactos devido ao uso de água e intervenções nos sistemas hídricos; desenvolvimento, aperfeiçoamento e aferição de modelos aplicáveis a alerta de eventos hidrológicos extremos de longo e curto prazo (cheias e secas); e estudos para a previsão de eventos extremos, seus efeitos e minimização.
- Integridade ambiental: impactos das mudanças globais sobre a água; desenvolvimentos de planos de gestão integrada dos sistemas hídricos; de diretrizes para a elaboração e gestão de zonas húmidas; e de modelos de alocação de água; prevenção da poluição e recuperação de recursos ambientais; estudos do papel da água para produção de alimentos e redução da pobreza.
- Águas Urbanas: desenvolvimento de planos para a gestão integrada da água urbana; reconhecimento de riscos e incertezas na gestão da água urbana; desenvolvimentos de processos de tratamento baseados em sistemas naturais; de sistemas descentralizados e de baixo custo para o fornecimento de água e saneamento; de tecnologias avançadas para tratamento de águas residuais; e de modelos e soluções para o risco de inundação urbana.
- Ecologia e Recursos Hídricos: processos ecológicos em sistemas aquáticos e ecohidrologia; mensuração e valoração dos serviços ecossistêmicos.
- Hidroinformática: modelagem de paradigmas, incertezas e riscos; sistemas de engenharia, otimização e integração; e tomada de decisão colaborativa e computação e aprendizagem baseados na internet.

quinta-feira, 28 de março de 2013

Comissão das Águas quer envolver os 36 Comitês de Bacia

Instalada nesta quarta-feira, dia 27 de março, em solenidade no Salão Nobre da Assembleia, a Comissão Extraordinária das Águas já definiu a realização de 12 encontros regionais, com a participação dos membros dos 36 Comitês de Bacias Hidrográficas de Minas, para garantir a discussão dos problemas in loco, com dados classificados por temas e territórios para embasar o Relatório Final. O objetivo da Comissão é verificar a situação dos recursos hídricos do Estado, rever a legislação sobre o tema e propor, bem como fiscalizar, investimentos em saneamento básico. Para tanto, os parlamentares pretendem trabalhar com uma pauta diversificada, que abrangerá a proteção dos recursos hídricos e o seu uso sustentável, o diagnóstico das Bacias Hidrográficas, a irrigação,o acesso à água potável, condições climáticas e saneamento, entre outros.

 Água tratada no Semiárido

 O deputado André Quintão, que é membro suplente da nova Comissão, afirmou que vai priorizar a questão dos recursos hídricos no semiárido mineiro, compreendendo as regiões Norte e os Vales do Jequitinhonha e do Mucuri, que sofrem com graves problemas de estiagem e desabastecimento de água e têm diversas localidades onde não há água tratada sequer para o consumo humano, nem serviços básicos de esgotamento sanitário.

André também defendeu que a Comissão discuta o conflito entre preservação ambiental e atividade minerária, principalmente na Região Metropolitana de Belo Horizonte, bem como os direitos dos cidadãos: “Hoje, muitos cidadãos pagam em suas contas de água por serviços que não são ofer ecidos pela concessionária no Município”, afirmou. Participaram da solenidade a diretora-geral do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), Marília Carvalho Melo, e o coordenador-geral do FórumMineiro de Comitês de bacias, Hideraldo Buch. A Comissão será presidida pelo deputado Almir Paraca (PT).

Informações do boletim eletrônico do Deputado André Quintão.

XII Encontro Verde das Américas – GREENMEETING 2013 será em maio na capital federal do Brasil

Um ano apos a Rio + 20, acontecerá em Brasília nos dias 21 e 22 de maio de 2013, o XII Encontro Verde das Américas, o “Greenmeeting”, que se projeta para ser um importante observatório sobre a ótica positivista referente ao alcance do resultado final da Conferencia das Nações Unidas no Rio de Janeiro em 2012.

O Encontro reunirá as principais lideranças nacionais e internacionais sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, tanto governamentais, quanto não governamentais, que entre outros acontecimentos se dará a entrega do Prêmio Verde das Américas 2013.

Somente grandes nomes nas áreas propostas estarão presentes neste Encontro como palestrantes e debatedores.

Participação gratuita com inscrição prévia via site: www.greenmeeting.org no Link Credenciamento.

Os participantes receberão certificado com carga horária


quarta-feira, 27 de março de 2013


27/03/2013 15h37

Comissão das Águas percorrerá 12 cidades mineiras

Iniciativa para discutir ações com comitês de bacias hidrográficas foi anunciada na reunião de instalação da comissão.

Twitter
acebook
Durante a reunião de instalação da Comissão Extraordinária das Águas da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), realizada nesta quarta-feira (27/3/13) com a presença do presidente da Casa, deputado Dinis Pinheiro (PSDB), parlamentares e autoridades, foi anunciada uma série de 12 encontros regionais com membros dos 36 comitês de bacia hidrográfica do Estado. De acordo com o presidente da comissão, deputado Almir Paraca (PT), o objetivo é colher informações para embasar um relatório com as principais questões relativas aos recursos hídricos do Estado. “Queremos partir de uma abordagem territorial. Com os dados classificados por tema e região, abriremos novamente o debate para a proposição de ações”, frisou o deputado.
Ainda de acordo com ele, a comissão, que foi criada em março, terá uma pauta diversificada abrangendo questões sobre prevenção e sustentabilidade dos recursos hídricos, conflitos envolvendo irrigação, falta de acesso à água potável, saneamento básico e mineração, além das mudanças climáticas. “Sabemos da nossa responsabilidade. Vamos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para acolher os anseios daqueles que militam a favor da água no Estado”, comprometeu-se Almir Paraca.
Em seu pronunciamento, o presidente Dinis Pinheiro destacou a importância da água para o Estado. “É o principal patrimônio de Minas. Essa comissão terá o papel de promover a comunhão de esforços para a utilização sustentável desse recurso natural. Acredito que será um palco de discussões vibrantes na busca por políticas públicas que estejam em consonância com a realidade das várias regiões do Estado”, pontuou.
A diretora-geral do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), Marília Carvalho Melo, parabenizou a Casa pela iniciativa inédita no País e reforçou a importância de se considerar a diversidade do Estado na proposição de ações. “Somos um Estado com diferenças culturais, territoriais e, por isso, as políticas públicas têm de ser adaptadas para a realidade de cada local”, ressaltou a secretária.
Deputados apontam prioridades para atuação da comissão
Durante a reunião, vários deputados fizeram sugestões e pedidos de ações prioritárias a serem discutidas pela comissão. O parlamentar Pompilio Canavez (PT), um dos membros efetivos, solicitou, entre outros pontos, o apoio aos municípios mineiros na elaboração dos Planos Municipais de Saneamento Básico. “Essa orientação irá ajudá-los a conseguirem recursos do Estado e da União para implementação de ações nesse sentido”, pontuou.
Desenvolvimento sustentável - O deputado Lafayette de Andrada (PSDB), membro suplente da comissão, salientou a importância de refletir sobre o valor econômico da água e sobre a relevância do recurso para o desenvolvimento do Estado. “A água nos traz, além do sustento, riquezas econômicas como a pesca, a irrigação, a produção de minério e de energia. Isso tudo precisa ser visto dentro de um contexto sustentável, que não pode ser esquecido”, pontuou.
Para o deputado André Quintão (PT), também membro suplente, a comissão deve priorizar a questão dos recursos hídricos no semiárido mineiro, compreendendo as regiões Norte e os Vales do Jequitinhonha e do Mucuri. Ele também defendeu que se discuta o conflito entre preservação ambiental e atividade minerária e também os direitos dos cidadãos, que, em suas palavras, “muitas vezes pagam por serviços não prestados”.
Água como direito fundamental – A deputada Liza Prado (PSB) pediu prioridade na discussão daProposta de Emenda à Constituição Estadual (PEC) 30/12, que busca acrescentar no rol de garantias e direitos fundamentais do indivíduo o acesso à água potável. “O direito à água, na minha opinião, está acima de qualquer questão econômica”, ressaltou a parlamentar, uma das autoras da proposição.
Revitalização da Bacia do São Francisco – A importância das ações voltadas para preservação do rio, um dos mais importantes cursos d'água do País, também foi levantado pelos presentes. O deputado Paulo Guedes (PT), coordenador da Comissão Interestadual Parlamentar de Estudos para o Desenvolvimento Sustentável da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (Cipe São Francisco), acredita que, além da revitalização, é preciso também ações mais estruturadas na região Norte, centro da crise da água em Minas. “Temos de alinhar as políticas públicas e diminuir a burocracia. Vários recursos foram liberados, mas não saíram do papel”, relatou.

Fonte: Portal da Assembléia Legislativa de Minas Gerais