segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Monitoramento reduz agrotóxico



Em quatro meses, o novo modelo de monitoramento climático, da Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro - Pesagro, reduziu em 42% o uso de agrotóxicos em lavouras de tomate na Região Serrana, informou nesta segunda-feira o presidente do órgão, Sílvio Galvão.

Os equipamentos coletam informações sobre a quantidade de chuva, umidade relativa do ar e o tempo médio em que a vegetação permanece com água na superfície. A cada 15 minutos, os dados são processados e colocados à disposição dos agricultores na internet, explicou Galvão.

"O projeto é pioneiro no Brasil. Embora em outros países existam estações de transmissão, a ideia do equipamento de monitoramento em lavouras é única. A nossa função, como empresa de pesquisa, é beneficiar a população, propor o consumo de alimentos mais saudáveis, visto que o produtor pelo sistema de monitoramento, aplica a dosagem necessária de agrotóxicos na plantação de tomate. No momento, o foco é o tomate, mas para 2014 devemos ir para a cultura do feijão, couve-flor, algodão e café", adiantou o engenheiro agrônomo.

O tomate é uma das culturas em que mais se usa agrotóxicos. Segundo Galvão, a queda de 42% no uso de agrotóxicos também reduz o custo do produtor por safra, além de diminuir a contaminação no meio ambiente e os resíduos do produto no fruto. A cada mil pés de tomate, gasta-se R$ 300 com a compra de defensivos agrícolas e 4.800 litros de água limpa no plantio. Nesta fase inicial, o projeto tem dez estações, com capacidade de monitorar e interpretar dados em um raio de cinco quilômetros cada uma. A partir de abril, mais dez deverão entrar em funcionamento em propriedades nos municípios de Paty do Alferes, Vassouras e Duas Barras, no sul fluminense.

O custo do projeto ainda é considerado alto, por volta de R$ 24 mil anuais para análise dos dados, equipamento, profissional, além de R$ 2 mil para manutenção. “No momento, o interesse é nas associações de agricultores, em busca do barateamento do modelo. A nossa meta é chegar ao segundo semestre com 50 estações [meteorológicas]. O trabalho do técnico agrícola ou do engenheiro agrônomo será preservado e o do equipamento, apenas para melhorar o trabalho no campo", explicou Silvio Galvão. Atualmente, o Brasil é um dos maiores compradores de agrotóxicos do mundo e as intoxicações por essas substâncias estão aumentando entre os trabalhadores rurais, concluiu Galvão.

FONTE: AGÊNCIA BRASIL

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Extrahección: violación de derechos en la apropiación de la naturaleza

Por Eduardo Gudynas*
ALAI AMLATINA

Extrahección es un nuevo término para describir la apropiación de recursos naturales desde la imposición del poder y violando los derechos de humanos y la Naturaleza. La palabra es nueva, pero el concepto es muy conocido. Describe situaciones que, poco a poco se están volviendo más comunes, como emprendimientos mineros o petroleros impuestos en un contexto de violencia, desoyendo las voces ciudadanas, desplazando comunidades campesinas o indígenas, o contaminando el ambiente.

Extrahección es un vocablo que proviene del latín “extrahere”, que significa tomar algo quitándolo o arrastrándolo hacia uno. Es por lo tanto, un término adecuado para describir las situaciones donde se arrancan los recursos naturales, sea de la comunidades locales o la Naturaleza. En esas circunstancias se violan distintos derechos, y ese precisamente ese aspecto que se pone en evidencia con este nuevo término. Los derechos violentados cubren un amplio abanico, entre los cuales se pueden indicar algunos para tomar conciencia de la gravedad de estas situaciones.

Impactos ambientales, como la destrucción de ecosistemas silvestres, la contaminación de aguas, suelos o el aire o la pérdida del acceso al agua, son todas violaciones de los llamados derechos de tercera generación. Estos están enfocados en la calidad de vida o un ambiente sano. En países donde además se reconocen los derechos de la Naturaleza (como en Ecuador), hay emprendimientos extractivos que son claramente incompatibles con el mandato ecológico constitucional.

Los derechos de las personas están afectados de muy diversas maneras. Repetidamente se incumplen las consultas previas, libres e informadas a las comunidades locales, o se fuerzan sus resultados, como ha sido denunciado en varios proyectos en los países andinos. También existen violaciones cuando se impone el desplazamiento de comunidades, como sigue ocurriendo con las explotaciones mineras de la región de Carajás en Brasil. En los sitios donde hay emprendimientos funcionando, se escuchan denuncias de violaciones a los derechos de los trabajadores, sea en su sindicalización, como en seguridad o condiciones sanitarias (como ha sido reportado por los trabajadores del carbón en Colombia).

No pueden pasarse por alto las prácticas de corrupción, como los esquemas de sobornos, sea para aceptar prácticas de alto impacto social o ambiental, o incluso para obtener los permisos de funcionamiento de un proyecto.

La extrahección también describe las circunstancias de emprendimientos que se imponen silenciando de distinta manera las voces ciudadanas. En los últimos años se está volviendo común judicializar las protestas, iniciando acciones legales contra sus líderes, quienes quedan sumergidos en procesos que duran años, se embargan sus bienes, se les restringen los viajes, etc. Un paso más es criminalizar las acciones ciudadanas, colocándolas bajo la sombra de cargos de vandalismo, sabotaje o terrorismo. Recientemente, el Observatorio de Conflictos Mineros de América Latina (OCMAL), ha recopilado casos de criminalización en varios países latinoamericanos.

Finalmente, en la extrahección también se llega a la violencia directa bajo distintos formatos. Esta puede estar en manos de individuos o a cargo de grupos, los que a su vez pueden ser cuerpos de seguridad o paramilitares, o estar en manos de las propias fuerzas estatales (policiales o militares). Una reciente revisión internacional encontró que las tres más grandes corporaciones mineras (Rio Tinto, Vale y BHP Billition), han estado involucradas con casos de violencia, varios de los cuales tuvieron lugar en América Latina.

Todo esto se expresa en represiones violentas de movilizaciones, raptos e incluso en el asesinato. Una vez más se encuentran muchos ejemplos recientes, desde las represiones a las movilizaciones ciudadanas en distintas localidades de Argentina o a la marcha a favor del TIPNIS en Bolivia, al saldo de al menos cinco muertos y mas de 40 heridos en el conflicto minero de Conga en Perú.

Está claro que estos y otros casos representan acciones ilegales que ocurren en países que cuentan con coberturas legales para los derechos humanos. Pero no pueden pasar desapercibidas las situaciones de “alegalidad”, donde se mantienen las formalidades legales, pero las consecuencias de las acciones son claramente ilegales. En este caso encontramos a corporaciones que aprovechan, por ejemplo, los vacíos normativos para lanzar contaminantes al ambiente, o que desentienden de las empresas que subcontratan para llevar adelante las acciones de mayor impacto en las comunidades locales.

Cuando el Estado no asegura su propio marco normativo en derechos, las comunidades locales han debido apelar a instancias internacionales, tales como la Corte Interamericana de Derechos Humanos. De esta manera se han visibilizado muchos casos que antes quedaban sepultados ante las indiferencias estatales, como sucedió en Guatemala, solicitando el cierre de la mina Marlin para garantizar la salud de las comunidades locales.

¿Es necesaria la nueva palabra extrahección para describir estas situaciones? Por cierto que lo es. Es que estas violaciones a los derechos humanos y de la Naturaleza no son meras consecuencias inesperadas, o producto de acciones aisladas llevadas adelante por individuos descarriados. Esta es la justificación empleada varias veces por sectores gubernamentales o corporativos, con la finalidad de separar sus actividades de esas violaciones. Esa postura es inaceptable.

En realidad, la violación de derechos se ha vuelto un componente inseparable e inevitable de un cierto tipo de extracción de recursos naturales. Esto ocurre cuando esas actividades comprometen enormes superficies, realizan procedimientos intensivos (por ejemplo utilizando contaminantes) o los riesgos en juego son de enorme gravedad, y por lo tanto, nunca serían aceptables bajo los marcos legales o para las comunidades locales. Entonces, la única forma en que pueden llevarse adelante es por medio de la imposición y la violación de los derechos fundamentales. La violación de los derechos no es una consecuencia, sino que es una condición de necesidad para llevar adelante este tipo de apropiación de recursos naturales. Son facetas de un mimo tipo de desarrollo, íntimamente vinculados entre sí.

Es esta particular dinámica la que explica el concepto de extrahección. No basta con decir, por ejemplo, que una de las consecuencias del extractivismo más intensivo es la violación de algunos derechos. Debe dejarse en claro que existe una íntima relación, donde esas estrategias de apropiación de recursos naturales sólo son posibles quebrando los derechos de las personas y la Naturaleza.

El concepto de extrahección y la definición de extractivismo se discuten en el reciente Observatorio del Desarrollo No 18 - http://www.extractivismo.com/biblioteca.html

*Eduardo Gudynas es investigador en CLAES (Centro Latino Americano de Ecología Social).

Mas informacion: http://alainet.org
________________________________
Agencia Latinoamericana de Informacion
email: info@alainet.org

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Ouvidor da Aneel defende grandes reservatórios para baixar tarifa de energia

O ouvidor da Agência Nacional de Energia Ele´trica, Edvaldo Santana, defendeu hoje, em Belo Horizonte, a construção de usinas hidrelétricas com grandes reservatórios, a despeito dos impactos ambientais, com o objetivo de garantir reservas de energia elétrica para o suprimento da demanda. A declaração foi dada durante reunião técnica da agência reguladora, que discutiu a metodologia de revisão tarifária para a Cemig . Segundo o ouvidor, esta seria uma forma de evitar o consumo de energia gerada pelas térmicas, que custam tem tarifa mais alta que das usinas hidroelelétricas.

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Memorial da América Latina traz exposição internacional sobre mudanças climáticas


Por Thiago Silva*

Exposição que abre dia 22 de fevereiro no Memorial da América Latina convida à reflexão, pela arte, pessoas interessadas em debater soluções para inibir a evolução predatória do meio-ambiente no planeta. Exemplos a Seguir – Expedições de Estética e Sustentabilidade, inédita mostra que vem ao Brasil em parceria com o Instituto Martius – Staden, da Alemanha, reúne trabalhos em vídeo, fotografia, performances e instalações.

Inaugurada em 2010, depois de ser vista pelos alemães, Exemplos a Seguir! passou pela Índia, China e Etiópia, com trabalhos de artistas da Europa, Ásia, Estados Unidos, Argentina e cinco brasileiros. A mostra coletiva, que fica em cartaz até 7 de abril na Galeria Marta Traba, propõe um “grito” de conscientização à humanidade, sobretudo após os pífios resultados da Rio+20, a fim de estabelecer uma conexão entre as artes, a ciência e a sustentabilidade.

Foi esse o critério usado pela curadora alemã Adrienne Goehler para selecionar em vários países o elenco da exposição: artistas que dissolvem as fronteiras entre o ativismo, arte e invenções, conectando as experiências de iniciativas ambientais com a sua própria abordagem artística.

SERVIÇO
"Exemplos a Seguir! Expedições em estética e sustentabilidade"
Abertura: dia 21 de fevereiro, às 19h
até 7 de abril no  Memorial da América Latina - Galeria Marta Traba (Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664).
Entrada Franca

Fontes: Envolverde – Jornalismo e Sustentabilidade e Portal do Governo do Estado de São Paulo


*Thiago Silva é jornalista e colaborador do Instituto Imersão Latina

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Saúde Pública - Acontece de 18 a 22 de março, em Belo Horizonte-MG, o IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública. Promovido pela Fundação Nacional de Saúde (Funasa), o evento contará com diversas mesas técnicas sobre saneamento.Dentre os subtemas destacam-se: abastecimento d'água, resíduos sólidos urbanos, esgotamento sanitário, desastres e riscos ambientais e inovações tecnológicas.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Está pronto para ser votado na Comissão de Agricultura do Senado, projeto de autoria do senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), que permite a expansão das áreas de plantio de cana-de-açúcar na Amazônia. Decreto de 2009, limita áreas de plantio na região. Segundo especialistas, a expansão da fronteira agrícola no país não carece de derrubar uma árvore sequer da Amazônia, já que existem áreas disponíveis, resultantes do  desenvolvimento da pecuária intensiva. A maior dessas áreas estaria na confluência dos estados do Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

O carnaval, a cidade e o meio ambiente

 “O BRASILEIRO MÉDIO NÃO FALHA NUNCA EM INTERESSAR-SE PELO QUE LHE CHEIRE CARNAVAL OU A MÁGICA. TANTO ADORA OS CARNAVAIS DE TODA ESPÉCIE – OS ARTÍSTICOS E OS ACANALHADOS- QUANTO DESPREZA AQUELES ESFORÇOS INTELIGENTES E SERIOS QUE SE DESENVOLVAM SEM GUIZOS E SEM PASSES DE MÁGICA. “

GILBERTO FREYRE

Por Almandrade*

Com as mudanças climáticas aceleradas há uma tendência de dificultar ainda mais a vida no planeta nas próximas décadas, por essa razão a perda da qualidade de vida tende a aumentar e conseqüentemente também a recessão da ética, da cidadania, da ordem, da educação e das responsabilidades individuais com o outro e o meio ambiente. Levar vantagem, não importa como, é uma meta.

Na sociedade urbano-contemporânea contemporânea, a perda do domínio público é visível nas reivindicações ou reclamações que vêm à tona quando surgem intervenções que atingem o espaço particular. Há muito a cidade deixou de ser o lugar da liberdade, do diálogo, do encontro, é o lugar dos prazeres imediatos e do consumo, da circulação da mercadoria. Chegou o verão, a cidade do salvador é do turismo e da festa.

Estamos nas vésperas de mais um carnaval. A cidade, desprovida do sentido de comunidade, é o palco onde tudo se troca, tudo tem um valor de mercado, do entretenimento ao corpo. O evento já não é mais uma diversão, mas uma indústria de um espetáculo que invade a cidade. E para quem vive no circuito da folia, sem tranqüilidade, exilado em seu próprio espaço residencial, invadido pelo barulho da rua e o odor desagradável de urina e cerveja, não há alternativa.

O carnaval acabou se transformando numa festa autoritária para quem não tem o direito de optar por outro divertimento, por outro tipo de música. Cresceu demais, ficou maior que a cidade, que mal o suporta. Ainda não se fez uma avaliação do impacto dos trios elétricos na estrutura dos prédios, monumentos históricos e no entorno. Chegou o momento de se pensar numa cidade do carnaval para o desfile dos trio-elétricos e a infra-estrutura necessária que a festa exige como o sambódromo, no Rio de Janeiro. A festa gera consumos exagerados de água, eletricidade, combustível, produz uma quantidade de lixo e custos de coleta.

O carnaval é um exemplo da privatização do espaço público e da nossa incapacidade de habitar o lugar público, nos acostumamos a pensar o público como uma reprodução do privado, até como forma de se sentir protegido. Com seus trios seletivos, é a extensão do domínio privado. A liberdade é o deslocamento para o público e a publicidade daquilo que se deseja realizar na intimidade e daquilo que não se tem coragem de realizar, nos outros dias do ano. É preciso entender a cidade além da concepção de espaço físico. Habitar uma cidade tem como princípio básico o exercício da cidadania e o agir ético dentro de uma determinada sociedade.

O consumidor, o personagem central da cidade moderna, ignora esse princípio e quem tem mais poder de consumo reivindica para si os benefícios da cidade. Isso está muito claro no carnaval, nos luxuosos camarotes, nas cordas que circulam os trios. Meio ambiente, cidadania e ética atravessam a cidade da festa. A função que o homem exerce na ocupação e significação do espaço, na relação com o outro e a natureza, diz respeito a valores que determinam a vida de cada ser no planeta. Valores que estão em crise. O homem moderno se dissociou dos propósitos mais importantes da vida, do compromisso pessoal com o estilo de vida e valores éticos. As necessidades devem ser satisfeitas levando em conta a necessidade do outro e das futuras gerações. Mas perdemos nosso senso de responsabilidade.

*Almandrade é artista plástico, poeta e arquiteto

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Tema "Cidade + Verde" é tema da Revista Labverde que recebe artigos de colaboradores

A Revista LABVERDE Nº06 abre a sua chamada de artigos, sob o tema:"Cidade + Verde". Os trabalhos deverão ser enviados, no período entre 20/01/2013 a 20/04/2013, para o e-mail: labverde@usp.br Os artigos deverão seguir as "Normas da Revista LABVERDE". Saiba mais