segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Pesquisadores de doenças das plantas se reúnem em Ouro Preto

Congresso de Fitopatologia: Pesquisadores de doenças das plantas se reúnem em Ouro Preto

Mais de um mil pessoas, dentre pesquisadores, professores e estudantes de ciências agrárias, estão inscritos no 46º Congresso Brasileiro de Fitopatologia, que acontece de 20 a 25 de outubro, no Centro de Convenções de Ouro Preto, Minas Gerais.
Promovido pela Sociedade Brasileira de Fitopatologia (SBFito) e organizado pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), o congresso contará, além de palestras e debates, com exposições de centenas de trabalhos científicos. Foram 948 trabalhos inscritos, segundo a comissão organizadora do evento, presidida pelo professor Jose Rogério de Oliveira, chefe de departamento de Fitopatologia da UFV. Dentre os participantes, cerca de 30 pesquisadores ou professores de universidades são de outros países, como Austrália, Estados Unidos, Holanda, Reino Unido e Espanha.
Um dos maiores produtores mundiais de alimentos, o Brasil também de destaca na pesquisa sobre as doenças das plantas. Uma dessas, considerada inédita e de alto impacto na comunidade científica nacional e internacional foi o sequenciamento do genoma da bactéria Xylella fastidiosa, cujo potencial de prejuízo na citricultura é de amplo conhecimento. As informações geradas pela pesquisa permitem que “metodologias de controle sejam desenvolvidas” explica o professor José Rogério.
Os benefícios das pesquisas em fitopatologia vão além da produtividade das lavouras, pois também são desenvolvidas pós colheitas, nos processos de armazenamento da produção, identificando e combatendo os patógenos desta fase da produção agrícola, reduzindo perdas que vão beneficiar produtores e consumidores.
Para o engenheiro agrônomo da Embrapa Algodão, Luiz Gonzaga Chitarra, presidente da SBFito, o Congresso será uma grande oportunidade de interação da comunidade científica. Dentre os temas mais relevantes ele também destaca a importância da pesquisa nos sistemas integrados lavoura-pecuária-floresta. “Quando o sistema de produção envolve várias atividades, temos muitos problemas com a incidência de doenças e pragas”, explica. Sobre os avanços da pesquisa brasileira, ele diz ser preciso avançar mais, e isso “depende de um esforço conjunto de governos, empresas e universidades”. A busca de parcerias internacionais nesse sentido é um desafio, que já começou a ser enfrentado, em projetos desenvolvidos por algumas universidades e centros de pesquisa brasileiros.
Os benefícios da pesquisa científica para a população podem ser mensurados pela melhoria da qualidade dos alimentos e pela saúde da população. Segundo Chitarra, hoje se trabalha “com o objetivo e reduzir a agressão ao meio ambiente, diminuindo a aplicação de agrotóxicos e promovendo a segurança alimentar”
Outra tema pautado para o Congresso de Fitopatologia são os rumos do controle químico de doenças. Pesquisadores e representantes de empresas vão apresentar as tendências do segmento, dentre eles o uso de produtos alternativos e de manejo de culturas.
Paralelamente ao 46º Congresso de Fitopatologia, acontece a 11ª Brasileira de Controle Biológico, onde será apresentado e discutido um panorama desta área no país.
Veja a programação completa em www.cbfito46.com.br


Jornalista responsável: Aloísio Lopes – 031-9902-1468

Nenhum comentário:

Postar um comentário