sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Águas para vida, não para a morte!

Águas para vida, não para a morte!
Militantes do MAB - Movimento dos Atingidos por Barragens estão nesse momento em frente à Justiça Federal de Belo Horizonte para forçar a inclusão dos atingidos no processo de decisão da situação de Mariana, Barra Longa e região. Eles querem participar das articulações que estão sendo fechadas hoje e atingirão diretamente suas vidas.
A região de Mariana foi uma das principais atingidas pelo desastre do rompimento da barragem de rejeitos da Samarco em novembro de 2015. O rompimento causou uma enxurrada de lama que destruiu o município de Bento Rodrigues, além de poluir o Rio Doce até a foz, no Espírito Santo. É o maior desastre do gênero da história mundial nos últimos 100 anos.
O objetivo do ato de hoje, é sair do local com uma data para audiência pública sobre o caso.
_____
Aguas para la vida, no para la muerte!
Militantes del MAB - Moviemiento de Afectados por Represas (en español) están en ese momento frente a la Justicia Federal de Belo Horizonte para forzar la inclusión de los afectados en el proceso de decisión de la situación de Mariana (MG), Barra Larga (MG) y de la región. Quieren participar en las articulaciones que están siendo cerradas hoy y llegarán directamente a sus vidas.
La región de Mariana fue una de las principales afectadas por el desastre del rompimiento de la presa de relaves de la Samarco en noviembre de 2015. La ruptura provocó una avalancha de lodo que arrasó el municipio de Bento Rodrigues (MG), además de contaminar el Río Dulce hasta la desembocadura, en el Espíritu Santo. Es el mayor desastre del género de la historia de la humanidad en los últimos 100 años.
El objetivo del acto de hoy, es salir del local con una fecha para la audiencia pública sobre el caso.
Fonte: Facção Latina / Facción Latina  

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Visión corporativa del futuro de la alimentación promovida en la ONU: Organizaciones de la sociedad civil alertan sobre la reunión de biotecnología de la FAO

Vía Campesina, ETC, GRAIN


Minga Informativa de Movimientos Sociales
---------------------------------------------

(Roma, Lunes 15 Febrero, 2016) 

Justo cuando las empresas biotecnológicas que producen semillas transgénicas se están fusionando, la visión corporativa de la biotecnología asoma en la FAO. En el día inaugural de un simposio internacional sobre biotecnologías agrícolas de tres días de duración, organizado por la Organización de las Naciones Unidas para la Alimentación y la Agricultura (FAO) en Roma, más de 100 movimientos sociales y organizaciones de la sociedad civil (OSC) de cuatro continentes han promulgado una declaración denunciando tanto la esencia como la estructura de la reunión, que parece ser un intento más por la agroindustria multinacional para reorientar las políticas de la agencia de la ONU hacia el apoyo a cultivos y animales genéticamente modificados.

El movimiento mundial campesino y de agricultura familiar, La Vía Campesina, invitó a las OSC a firmar la carta (http://viacampesina.org/es/images/stories/pdf/Declaracin%20Conjunta%20de%20la%20Sociedad%20Civil.pdf) cuando se hizo público el programa del simposio. Dos de los ponentes magistrales de la FAO son conocidos defensores de los transgénicos, y el programa y los eventos paralelos de los tres días incluyen portavoces de la Biotechnology Industry Organization (un grupo comercial biotecnológico de los EE.UU.), Crop Life Internacional (la asociación comercial mundial agroquímica), DuPont (una de las mayores compañías mundiales biotecnológicas de semillas) y CEVA (una gran corporación médico-veterinaria), entre otros. La FAO sólo ha invitado a un orador o panelista abiertamente crítico con los transgénicos. Peor aún, uno de los dos ponentes en la sesión de apertura es un ex-subdirector general de la FAO, que ha presionado a favor de las llamadas semillas Terminator (semillas transgénicas programadas para morir en el momento de su cosecha, obligando a los agricultores a comprar nuevas semillas cada temporada), en oposición a las propias declaraciones públicas de la FAO. El discurso del segundo orador principal se titula, "Poniendo fin al desviado debate global sobre la Biotecnología" - lo que sugiere que el simposio FAO debería ser el momento de cierre de la crítica a la biotecnología.

En la convocatoria del sesgado simposio, la FAO está cediendo a la presión de la industria que se intensificó después de las reuniones internacionales sobre agroecología organizadas por la FAO en 2014 y 2015. Las reuniones de agroecología fueron un modelo de apertura a todos los puntos de vista, desde campesinos hasta la industria. Pero la industria de la biotecnología, al parecer, prefiere tener ahora una reunión que puedan controlar. Esta no es la primera vez que la FAO ha entrado en este juego. En 2010, la FAO convocó una conferencia sobre biotecnología en Guadalajara, México, donde vetó la presencia de agricultores en su comité organizador, y luego trató de impedir su asistencia a la conferencia misma.

"Nos alarma que la FAO se coloque una vez más al frente con las mismas corporaciones, justo cuando estas compañías están hablando de nuevas fusiones entre ellas mismas, que concentrarían el sector de las semillas comerciales en aun menos manos", denuncia la declaración de las OSC.

Es evidente, de acuerdo con la Declaración de la Sociedad Civil, que la industria desea utilizar la FAO para relanzar su falso mensaje de que los cultivos modificados genéticamente pueden alimentar al mundo y enfriar el planeta, mientras que la realidad es que nada ha cambiado en el frente biotecnológico. Los OGM no alimentan a la gente, en su mayoría se cultivan en un puñado de países en plantaciones industriales de agrocombustibles y alimentos para animales, aumentan el uso de plaguicidas, y expulsan a los campesinos de las tierras. Las empresas biotecnológicas transnacionales están tratando de patentar la biodiversidad del planeta, lo que demuestra que su interés principal es lograr enormes ganancias, y no garantizar la seguridad o la soberanía alimentaria. El sistema alimentaria industrial que promueven estas empresas es también uno de los principales responsables del cambio climático. Confrontada con el rechazo de los OGM por muchos consumidores y productores, la industria está ahora inventando nuevas, y posiblemente peligrosas, técnicas de modificar genéticamente las plantas, sin llamarlas OGM. Al hacerlo, están tratando de evitar las regulaciones de los OGM y engañara a los consumidores y a los agricultores.

Las actividades de agroecología estaban mucho más cerca de la forma en que la FAO debería actuar, señala la Declaración, "como un centro de intercambio de conocimiento, sin una agenda oculta en nombre de unos pocos." ¿Por qué la FAO se autolimita ahora de nuevo a la biotecnología corporativa y niega la existencia de tecnologías campesinas? La FAO debería apoyar las tecnologías campesinas, que ofrecen la vía más innovadora, de código abierto, y efectiva para acabar con el hambre y la desnutrición. Es hora de dejar de apoyar una estrecha agenda corporativa, dice la Sociedad Civil. "La gran mayoría de los agricultores del mundo son campesinos, y son los campesinos quienes alimentan al mundo. Necesitamos tecnologías de base campesina, no biotecnologías corporativas."

"Ya es hora de que la FAO ponga fin a la biopiratería y a su apoyo a los cultivos modificados genéticamente, que sólo sirven para permitir que un puñado de empresas transnacionales patenten y acaparen toda la biodiversidad existente," dijo Guy Kastler, líder de la Vía Campesina. "Por el contrario, la FAO debería apoyar a las organizaciones campesinas y a los investigadores que trabajan en el fitomejoramiento colaborativo al servicio de la soberanía alimentaria y la agroecología campesina".

La declaración y la lista de firmantes se pueden descargar ( http://viacampesina.org/es/images/stories/pdf/Declaracin%20Conjunta%20de%20la%20Sociedad%20Civil.pdf).

Comunicado de prensa – La Via Campesina, ETC y GRAIN
lvcweb@viacampesina.org


*************************************
Minga Informativa de Movimientos Sociales
http://movimientos.org/

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

As lamas da mineração: A caixa de pandora foi aberta

Foto da Lama em Mariana - Agência Brasil
Por Sucena Shkrada Resk  - Blog Cidadão do Mundo

Três meses se passaram e a conclusão a que se chega é que a expressão “tragédia anunciada” se materializou no acidente do rompimento da barragem de rejeitos minerais(de ferro) do Fundão, operada pela Samarco, controlada pela Vale e pela anglo-australiana BHP Biliton, , em Bento Rodrigues, distrito de Mariana, MG, no dia 5 de novembro de 2015.

O acidente socioambiental, considerado o maior no país até hoje, que se estendeu ao litoral capixaba, abriu a ‘caixa da pandora’ do segmento da mineração. Revelou-se que boa parte deste setor poderoso da economia que é baseado essencialmente em extrativismo dos bens naturais pouco está investindo em precaução e remediação de danos, deixando rastros de passivos ambientais.  Ao mesmo tempo, a fiscalização no setor demonstra ser extremamente frágil, facilitando os descumprimentos legais. Com as chuvas no mês de janeiro, mais um deslocamento na barragem do Fundão foi detectada no final do mês, acionando o alerta amarelo no entorno, mas sem gerar ocorrências. Ainda há o temor de novos acidentes com outras duas barragens de rejeitos da mineradora, que têm volume bem maior de sedimentos.

No último dia 5 de fevereiro, outro acidente ocorreu em Jacareí, SP. Desta vez, uma barragem de rejeitos de mineração de areia atingiu o rio Paraíba do Sul. Uma operação de reparo foi feita pela mineradora responsável - Rolando Comércio de Areia - com supervisão de técnicos da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). Temporariamente o abastecimento foi prejudicado em São José dos Campos, por causa da turbidez da água que atingiu nível crítico. Um dado irrefutável para a constatação de que é necessário rigor das empresas e das autoridades neste segmento é o Relatório de Segurança das Barragens, da Agência Nacional de Águas (ANA), que levanta informações de unidades de mineração, geração de energia e abastecimento humano.

Neste contexto, hoje estão em operação 14.966 barragens e somente 432 passaram por algum tipo de vistoria em 2014. Quantas têm plano de emergência (sem inferir obviamente sua eficácia), que é uma exigência legal? Apenas 162. Em Minas Gerais, um inventário realizado pela Fundação Ambiental do Meio Ambiente atesta que há 42 barragens com estabilidade não garantida por auditores. Os empreendimentos ficam localizados nas bacias dos rios São Francisco, Piracicaba, Jaguari, Grande e das Velhas. Outro temor se refere à segurança de barragens já desativadas. Este é um dos ângulos dos diversos comprometimentos que envolvem a manutenção desses complexos.

A pergunta que não quer calar: como podem estar funcionando normalmente, sem cumprir estes requisitos? Qual é o papel do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM)? E do órgão estadual licenciador? Do Ministério de Minas e Energia? Os Ministérios Públicos Federal e Estaduais estão apurando os casos e analisando quem são os envolvidos na causa do acidente. Como pano de fundo, tramita em regime de prioridade no Congresso Nacional o projeto de um novo Código da Mineração (37/2011) polêmico, mais permissivo ao setor. Mas algumas questões continuam sendo claras no novo texto: a concessionária tem de se responsabilizar pela segurança das pessoas e dos equipamentos e para a proteção do meio ambiente, como também responsabilizar-se civilmente e indenizar todos e quaisquer danos decorrentes das atividades das lavras contratadas. Entretanto, não entra em detalhes sobre algo fundamental, que é o princípio da precaução e de extinção de concessão por atos danosos e ou negligentes.

Acidente em Mariana teve projeção mundial 

O acidente da barragem de Mariana teve repercussão mundial, sendo objeto de análise da Organização das Nações Unidas (ONU), que iniciou, em dezembro passado, investigação com seu grupo de trabalho sobre Empresas e Direitos Humanos sobre o comportamento de empresas de mineração e do governo no desastre. Não é possível ter memória curta e passar uma borracha nesta tragédia que resultou em dezessete mortos, dois desaparecidos, 35 municípios mineiros afetados diretamente pela lama com diferentes graus de toxidade, que se propagou até o mar do Espírito Santo, causando danos ambientais e socioeconômicos que ainda estão sendo apurados.

Como é possível desprezar que 62 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério e lama se transformaram em uma arma praticamente incontrolável por onde passou em mais de 700 km de extensão? O abastecimento de água e o ecossistema desta área atingida sofreram impactos que ainda estão sendo dimensionados e toda a bacia hidrográfica foi comprometida por este acidente, considerado o pior do gênero neste setor mundialmente, depois do que ocorreu em 2014, na mina canadense, de Mount Poulley, na Colúmbia Britânica, segundo o Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais (Ivig). O que dizer do povoado de Bento Rodrigues que era habitado principalmente por agricultores familiares, que de um dia para o outro, viram tudo que construíram, durante uma vida, destruído? Dos pescadores e outros ribeirinhos que tiveram sua fonte de sustento suspensa? E povos indígenas que tiveram seu modo de vida afetado?

Segundo o Ministério Público Estadual mineiro, estudo de 2013, encomendado pelo órgão para o Instituto Prístino, já havia alertado para a possibilidade do rompimento das barragens do Fundão e de Santarém. Após o acidente, um levantamento oficial, com contribuição de mais de 80 organizações, está sendo encaminhado ao Ministério Público, Assembleia Legislativa Mineira e prefeituras. O documento divulgado à imprensa registra o número de 321.626 pessoas afetadas somente ao longo do Rio Doce. As principais recomendações da análise são a urgência da ação de restauro e redução de danos por parte das empresas operadoras e controladoras da mineradora. Também sugere a criação de uma fundação privada que possa gerir um fundo de R$ 2 bilhões por ano em uma ação de R$ 20 bilhões ao todo, que envolveria todos os municípios afetados até o Espírito Santo.

Pesquisadores de um grupo independente e outros oficialmente fizeram levantamento da qualidade das águas ao longo do rio Doce e no mar. Entre os resultados, foram detectadas quantidades de alguns elementos químicos acima do nível tolerável ao longo dos últimos meses, como chumbo, alumínio, ferro, bário, cobre, boro e mercúrio. O rio Doce chegou a ser taxado como morto por alguns especialistas. A possibilidade de recuperação em cinco meses é cogitada, de acordo com análise de Paulo Rosman, professor de Engenharia Costeira da COPPE/UFRJ e autor de um estudo encomendado pelo Ministério do Meio Ambiente sobre o caso. Ele argumenta que as chuvas previstas até abril podem carregar os sedimentos. O especialista alerta, entretanto, que não deve haver povoados nas proximidades dessas barragens, o que seria uma imprudência.

Outros especialistas de diferentes organizações falam em décadas. O desequilíbrio ecossistêmico foi um dos resultados do acidente, que é difícil dimensionar o alcance, por enquanto. Algo irremediável foi a morte de milhares de peixes e de outros organismos com a avalanche de lama. Faltam respostas de como será reposto o estoque pesqueiro. A implicação à sobrevivência de algumas espécies ainda está sendo analisada. O monitoramento das águas do rio Doce começou a ser feito regularmente pela ANA e pelo Serviço Geológico do Brasil, a partir de 6 de novembro do ano passado. O Ministério do Meio Ambiente criou por portaria, somente em 7 de janeiro, um grupo para coordenar a “posição ambiental na esfera federal” sobre o caso. Essas ações têm de ser divulgadas à sociedade, para que também possa acompanhar. Na página oficial da Samarco, os informes são breves, como este do dia 27 de janeiro: Barragens permanecem estáveis 27/01/2016 “Ocorreu na tarde de hoje, dia 27 de janeiro, uma movimentação de parte da massa residual da Barragem de Fundão devido as chuvas das últimas semanas. De forma preventiva e seguindo seu Plano de Emergência, os empregados que atuam próximo à área afetada foram orientados a deixar o local. Não houve a necessidade de acionamento de sirene por parte da empresa. As defesas civis de Mariana e Barra Longa foram devidamente informadas. O volume deslocado permanece entre a barragem de Fundão e Santarém, dentro das áreas da Samarco.

A empresa reafirma, que as estruturas das barragens de Germano e Santarém permanecem estáveis, com base no contínuo monitoramento.” (sem entrar em maiores detalhes). Fazendo uma retrospectiva, a empresa preparou um plano de emergência após o acidente, conforme determinação legal, e chegou a negar que foi negligente. Vale lembrar que à época do acidente, confirmou que não tinha um sistema de sirenes para alertar moradores em situações como aquela e que avisou algumas pessoas por telefone, apesar de ter um plano de emergência no papel. A Vale e a sócia australiana foram acionadas pela Justiça, mas a Vale alega que não é a responsável legal, mas que estaria criando um fundo para esse caso. Ainda muito a esclarecer. Qual a lição tirada de tudo isso? Que a sociedade precisa acompanhar o processo, que não pode acabar em mais um acúmulo de papel da burocracia. Ações práticas têm de ser tomadas por estas empresas, para a redução de danos, ressarcimento às vítimas, e no contexto macro, os órgãos governamentais têm o dever ético de cumprirem seu papel para exigir a regularização dos sistemas de precaução de todas as mineradoras que não estão cumprindo as exigências legais. E claro, a justiça devidamente punir os culpados.

Não podemos acreditar mais em sistemas de faz-de-conta e que caiam num esquecimento perverso de um país “sem memória”.

Leia mais: http://cidadaosdomundo.webnode.com/news/as-lamas-da-mineracao-a-caixa-de-pandora-foi-aberta/

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Quem avisa amigo é

Por Kleber Galvêas

Uma família permitia a pescaria ao filho, que trazia peixes para o jantar. Várias vezes os vizinhos alertaram os pais do menino sobre os riscos daquela atividade solitária, em local perigoso. Os pais não deram atenção, e a tragédia aconteceu. De quem é a culpa? É parcial, injusto, consciente e expiatório o que o governo e a mídia vêm fazendo com as grandes empresas. Especialmente o tratamento dado à Vale, principal responsável pela poluição na Grande Vitória.

Durante anos, várias vezes, o governo foi provocado para agir, cumprir a sua obrigação constitucional de fiscalizar, inibir riscos e danos ao nosso ambiente. Em todas as Audiências Públicas (CMV, Ales, Colégio Marista), os representantes do governo (muitas vezes com amparo da Ufes) afirmaram que a empresa cumpria rigorosamente suas exigências: “a empresa está dando resposta à altura do que foi exigido”. Isso tudo está gravado. Muitas matérias jornalísticas veiculadas na nossa mídia parecem copiadas de folders de propaganda da empresa.

Quando o projeto A VALE, A VACA E A PENA, iniciado em 1997, completou 12 anos de provocações, em 2008, já havia ampla consciência pública dos males da poluição atmosférica. Mesmo assim o governador Paulo Hartung aprovou a Usina 8, da Vale, que entrou em operações no final de 2014. Uma gigante que quase dobrou a atividade siderúrgica em Tubarão. A poluição causada pelo estoque e embarque do minério, em Tubarão, é quase desprezível, se comparada à causada pelas chaminés da Vale e ArcelorMittal, ambas ali localizadas.

O governo seduziu as empresas e indicou o lugar para se instalarem; aprovou todos os seus projetos; advogou a seu favor em todas as Audiências Públicas a que compareci, e aceitou suas polpudas doações para campanhas eleitorais. Paulo Hartung, em duas gestões anteriores, nomeou como Secretária do Meio Ambiente a ex-diretora da empresa que havia feito o estudo de impacto ambiental para as poluidoras. Ela reprovaria o próprio trabalho?

Parece que o judiciário acordou, mas olhou para o lado errado (embarque de minério), e pretende levar pessoas para a cadeia. Se for assim, a fila deve ser encabeçada pelos prevaricadores: representantes dos poderes públicos nos três níveis, acompanhados de alguns jornalistas que são tendenciosos ao informar, ou fazem censura prévia. A luta contra a poluição provocada pelas siderúrgicas acumula fracassos há quatro décadas. Assim como as tentativas das empresas em minimizá-la. O minério deve ser beneficiado em sua origem e Tubarão ser apenas um porto bem equipado, para exportar sem prejuízo ambiental. Tudo feito com bom-senso e tolerância das partes envolvidas.

www.galveas.com